Foi com o olhar posto «no futuro» que decorreu, esta manhã, a inauguração do Lar das Termas, em Sequeiros (Amares), um equipamento orçado em mais de 1,3 milhões de euros que acolhe 31 utentes de Lar e 30 de SAD. «Acreditamos no futuro e já estamos a avançar com os projectos da Casa da Citânia (apoio especializado nas áreas da demências e saúde mental), em Ponte S. Vicente-Vila Verde, e o Felizmente Lar, em Gualtar-Braga», assinalou o presidente do Centro Social Vale do Homem, Jorge Pereira, durante a cerimónia presidida pelo Ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, à qual se juntaram os autarcas do Vale do Homem.

«Damos hoje mais um passo para ampliar a rede de respostas sociais às nossas populações», vincou, na ocasião, o presidente do município de Amares, Manuel Moreira, «um dos homens que acreditou no projecto, juntamente com o autarca da União de Caldelas, Sequeiros e Paranhos», vincou Jorge Pereira.

«Conte com as nossas capacidades de trabalho e apoie-nos a desenvolver os nossos projectos», referiu, na altura, o autarca de Amares, Manuel Moreira, em nome da «rede» de respostas sociais já instaladas no Vale do Homem.

O Ministro Vieira da Silva fez a apologia do trabalho desenvolvido pelo actual Governo PS, tendo deixado garantias de «reforço de novos acordos de cooperação» com as IPSS´s em 2018, «tal como já aconteceu e 2017».

LAR DAS TERMAS
O “Lar das Termas” vai ao encontro dos objetivos assumidos pelo Centro Social do Vale do Homem: «alargar as suas respostas sociais em territórios socialmente desfavorecidos, colmatando necessidades emergentes diagnosticadas nos diferentes instrumentos de planeamento concelhios».

A área de abrangência da resposta social é a zona do Vale do Homem, correspondente aos concelhos de Amares, Vila Verde e Terras de Bouro. O edifício foi construído na União de Freguesias de Caldelas, Sequeiros e Paranhos, mais precisamente na antiga Escola Básica de Sequeiros, cedida pela Câmara Municipal de Amares, tendo capacidade para 31 utentes de Lar e 30 utentes de SAD (Serviço de apoio domiciliário), numa localização privilegiada – a confluência dos três concelhos de atuação.

Aberto desde Junho de 2017, esta infra-estrutura pretende «reforçar o apoio e interação com a comunidade, através da prestação de cuidados a idosos e suas famílias e da dinamização do mercado de emprego, contribuindo para revitalizar uma região que sente os efeitos da desertificação».


Redacção
ovilaverdense@gmail.com

 

In OVILAVERDENSE online.

facebook